Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

"Tenho cicatrizes para toda a vida" diz britânica esfaqueada por mãe e filha no Algarve

Mulher sofreu nove golpes nas costas e ficou com o cabelo cortado.
Rui Pando Gomes e Ana Palma 2 de Fevereiro de 2019 às 01:30
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
Sem roupa, com o cabelo cortado e a escorrer sangue de vários golpes nas costas: foi assim que foi encontrada uma mulher britânica depois de ter sido sujeita a um ritual de vergonha por alegadamente ter mantido uma relação amorosa com um homem casado.

Duas mulheres - mãe e filha - e um homem vão começar a ser julgados na próxima semana pelos crimes de sequestro e ofensas à integridade física, tal como o CM já noticiou.

Leighanne Rumney, de 22 anos, segundo a acusação do Ministério Público que o CM consultou, trabalhava num bar em Albufeira e foi sequestrada por familiares de um homem que seria cliente do estabelecimento.

"Eles levaram-me para um lugar remoto e eu estava convencida de que me iam matar", recordou a britânica ao jornal ‘The Sun’.

As duas mulheres despiram-lhe a roupa e fizeram-lhe nove golpes nas costas.

"Depois pegaram numa tesoura e cortaram-me todo o meu cabelo numa espécie de ritual para me envergonhar. Tenho cicatrizes para toda a vida", explicou ainda Leighanne, que perdeu dois litros de sangue.

A vítima conseguiu arrastar-se até uma estrada, sem roupa e toda ensanguentada, e foi socorrida por um condutor e transportada ao hospital de Portimão.
Albufeira Leighanne Rumney Ministério Público Portimão The Sun
Ver comentários