Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Usam moradia para prostituição

Casal foi detido pela PJ por lenocínio agravado e está proibido de se afastar do concelho.
Isabel Jordão 30 de Maio de 2015 às 16:02
Mulheres estrangeiras não podiam sair da moradia do casal
Mulheres estrangeiras não podiam sair da moradia do casal FOTO: Getty Images
A moradia de um casal, no centro da cidade de Ourém, foi usada durante mais de um ano para obrigar várias mulheres a prostituírem-se e a entregarem os lucros aos donos da casa. O casal, que foi agora detido pela PJ, está proibido pelo tribunal de se afastar dos limites do concelho e obrigado a apresentar-se todos os dias às autoridades.

A exploração da prostituição era feita com recurso a mulheres estrangeiras, de várias nacionalidades, que estavam sozinhas no País e não tinham qualquer outro meio de subsistência nem estrutura de apoio ou familiares, estando por isso numa situação de grande vulnerabilidade.

O número de vítimas será elevado, dado que, apesar da moradia ter poucos quartos, as mulheres que se prostituíam eram substituídas por outras a cada duas semanas. Não podiam sair da moradia, já que o casal também lá pernoitava.

A investigação prolongou-se por seis meses e culminou agora com a detenção do casal - um português, de 58 anos, e uma bielorrussa, mas com nacionalidade portuguesa, de 32 anos.

Ourém PJ País questões sociais prostituição demografia estrangeiras tráfico humano crime justiça lei