Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Jovem ativista faz protesto subaquático em defesa do clima

Shaama Sandooyea levou um cartaz para debaixo de água com uma mensagem de combate à mudança climática.
Correio da Manhã 18 de Março de 2021 às 13:11
A carregar o vídeo ...
Jovem protagoniza primeiro protesto subaquático em defesa do clima

Uma jovem de 25 anos, natural da Mauritânia, mergulhou nas águas do oceano Índico para protestar em defesa do clima, levando consigo um cartaz com a frase: ‘Greve Juvenil pelo Clima’. Enquanto segurava o cartaz, Shaama Sandooyea conteve a respiração debaixo de água, com o objetivo de que a mensagem chegasse longe e ajudasse a desencadear uma ação global mais forte para combater a mudança climática.

A conservação de uma vasta extensão de ervas marinhas na ilha 'Saya de Malha Bank', no Oceano Índico, tornou-se uma prioridade devido ao papel importante na absorção de dióxido de carbono que faz aquecer o clima.

Noutros oceanos, está a perder-se cerca de 7% da cobertura de ervas marinhas por ano, em grande parte devido à dragagem e ao aumento da temperatura do oceano. De acordo com a Reuters, milhares de espécies marinhas também dependem do prado marinho da ilha para se alimentarem e criarem o seu habitat, incluindo tartarugas marinhas em vias de extinção.

"Há muita vida no oceano que não sabemos que existe e que é mágica. O oceano não deveria sofrer por causa das decisões que as outras pessoas tomam", disse a jovem no convés de um barco da Greenpeace, enquanto navegava para a área marinha com cientistas e ambientalistas.

Os ativistas esperam chamar a atenção para a meta da Organização das Nações Unidas (ONU) de persuadir os países a protegerem pelo menos 30% das terras e oceanos do planeta até 2030, uma meta provisória que muitos cientistas dizem que deve ser cumprida para enfrentar a dupla crise de mudança climática e perda de biodiversidade, segundo revela a Agência Reuters.

O tráfego marítimo global quadruplicou entre 1992 e 2012, com o Oceano Índico a registar um dos aumentos mais acentuados, de acordo com um estudo da revista ciêntica 'Geophysical Research Letters', em 2014, citado pela Reuters.

Ver comentários