Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Cidadania para 24 mil filhos da emigração

Entre janeiro e março nasceram em Portugal menos crianças do que os que obtiveram a atribuição de natalidade.
João Saramago 26 de Maio de 2018 às 01:30
Milhares de portugueses vivem na Venezuela
Michel Barnier
Milhares de portugueses vivem na Venezuela
Michel Barnier
Milhares de portugueses vivem na Venezuela
Michel Barnier
Pela primeira vez os cidadãos a quem foi atribuída a nacionalidade portuguesa foram em maior número do que o total de crianças nascidas em Portugal.

Os dados disponibilizados pelo Ministério da Justiça revelam que, entre janeiro e março deste ano, a nacionalidade portuguesa foi atribuída a 24 236 filhos e netos de portugueses. No mesmo período de 2017, os que obtiveram a nacionalidade em iguais condições foram 17 405. Assim, no espaço de um ano, o número de cidadãos no estrangeiro que passaram a ser portugueses com efeito a partir da data de nascença cresceu em 39%.

Em igual período, pelo contrário, houve um recuo do número de nascimentos em Portugal. Nos primeiros três meses de 2017 nasceram 20 552: entre janeiro e março deste ano foram 19 210 (menos 6,5 por cento).

O aumento do número de cidadãos portugueses no estrangeiro deve-se, segundo fonte do gabinete de comunicação do Ministério da Justiça, às "alterações legislativas realizadas, em julho de 2017, que facilitaram os procedimentos burocráticos".

Por sua vez, a aquisição da nacionalidade para estrangeiros casados com portugueses, residentes em Portugal, ou com antepassados afastados nacionais, teve uma subida: de 6534 autorizações no primeiro trimestre de 2017 para 8176 no mesmo período deste ano.

Crise na Venezuela aumenta pedidos
O aumento da entrega da cidadania a filhos e netos de portugueses ocorre num período em que há forte instabilidade política na Venezuela, onde vivem 176 mil portugueses. Já nos EUA foram reforçadas medidas contra a imigração ilegal e no Reino Unido terminará a livre circulação.

Registo garante direitos no Reino Unido
O negociador-chefe da União Europeia (UE) para o Brexit, Michel Barnier, afirmou que "todos os cidadãos portugueses" no Reino Unido "devem registar-se" para garantir os seus direitos após a saída da UE. "A segurança jurídica dos cidadãos [europeus] a viver no Reino Unido será assegurada com a ratificação do tratado" de saída daquele país da UE, disse Barnier, numa audição na comissão de Assuntos Europeus do Parlamento.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)