Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Falha vacinação contra o sarampo

Especialista justifica falta de imunização com o crescimento de movimentos antivacinação.
Francisca Genésio 12 de Maio de 2019 às 09:58
Cobertura vacinal para a primeira dose contra o sarampo foi de 99% nas crianças com dois anos de idade
A vacina do sarampo perde eficácia com o passar do tempo
Vacinação
Vacinas
Vacinas
Cobertura vacinal para a primeira dose contra o sarampo foi de 99% nas crianças com dois anos de idade
A vacina do sarampo perde eficácia com o passar do tempo
Vacinação
Vacinas
Vacinas
Cobertura vacinal para a primeira dose contra o sarampo foi de 99% nas crianças com dois anos de idade
A vacina do sarampo perde eficácia com o passar do tempo
Vacinação
Vacinas
Vacinas
Aos 13 meses, cerca de 14 por cento das crianças ainda não estavam, no ano passado, protegidas nem contra o sarampo nem contra a meningite C. A idade recomendada para a primeira dose das duas vacinas é aos 12 meses.

Aos dois anos, a cobertura vacinal para a primeira dose contra o sarampo foi 99%. Já a cobertura da segunda dose, entre os seis e os 18 anos, variou entre 96% e 98%.

Os dados constam do Boletim de Avaliação do Programa Nacional de Vacinação (PNV) 2018, divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Embora a cobertura vacinal contra o sarampo e meningite C nas crianças de 13 meses tenha aumentado 2% e 1%, respetivamente, num ano, os dados de 2018 preocupam os especialistas.

"É importantíssimo que haja uma cobertura vacinal adequada: 14% são muitas crianças, sobretudo numa altura em que há cada vez mais movimentos antivacinas" , disse ao CM Gabriela Saldanha, médica no Centro de Vacinação Internacional do Porto, alertando para a necessidade de o País "investir na motivação dos pais para que vacinem os filhos".

No documento, a DGS alerta para o facto de o risco de infeção por sarampo ter aumentado nos últimos dois anos na Europa.

"Este risco está relacionado com a existência de baixas coberturas contra o sarampo em vários países e o aumento da circulação de pessoas", pode-se ler no boletim.

Descontando esta falha, a avaliação da DGS faz um balanço positivo do PNV 2018. De acordo com os dados, foi observado "um aumento das coberturas vacinais em relação aos valores do ano anterior, para todas as vacinas, doses e idades avaliadas" - todas alcançaram, até aos sete anos, o objetivo de 95% de cobertura.

No que respeita à vacinação contra infeções pelo Vírus do Papiloma Humano, o estudo revela que foram atingidos "os valores mais elevados desde sempre, atingindo os 90% para as duas doses".

85% das grávidas vacinadas contra a tosse convulsa
Cerca de 85% das mulheres grávidas no ano passado deverão ter sido vacinadas contra a tosse convulsa. As estimativas, da DGS, revelam um "evidente aumento" comparativamente a 2017.

Com os resultados, as autoridades de Saúde esperam um maior controlo desta doença nas crianças até aos 2 anos.

SAIBA MAIS 
1973
foi o ano em que surgiu, em Portugal, a vacina contra o sarampo. Na altura, era apenas recomendada a crianças entre os 12 meses e os 4 anos. No ano seguinte foi integrada no Programa Nacional de Vacinação.

Febre é um dos sintomas
O sarampo é uma infeção altamente contagiosa, cujos sintomas passam por manchas na pele, febres altas, prostração, tosse e obstrução nasal.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)