Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Reviravolta nos últimos minutos dá final da Taça da Liga ao FC Porto

Equipa de Ivo Vieira ainda ainda sonhou com os penáltis, nos descontos, mas o árbitro invalidou (bem) o golo de João Pedro.
Filipe António Ferreira 23 de Janeiro de 2020 às 08:32
 V. Guimarães - FC Porto
V. Guimarães  -  FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
V. Guimarães  -  FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
V. Guimarães  -  FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto
 V. Guimarães - FC Porto

Intenso, imprevisível e polémico. O FC Porto conseguiu chegar à quarta final da Taça da Liga após uma reviravolta muito difícil diante do V. Guimarães. O Sp. Braga, a jogar em casa no sábado, é o que separa os dragões da conquista do seu primeiro troféu.

Minutos iniciais da partida marcados pelo equilíbrio. Mais domínio do FC Porto, mas sem grande objetividade. Do outro lado, um conjunto minhoto que tentava sempre que possível sair em transições rápidas. Aos 20’, Marega apanha a bola de um lançamento lateral, vira-se e remata para defesa, com o peito, de Douglas. Logo a seguir, Uribe dispara forte, do meio da rua, por cima. Estava dado o início do melhor momento portista até ao descanso.

Já depois da meia hora, Marega volta a colocar à prova Douglas, que defendeu para canto. O V. Guimarães não conseguia sair como no início do jogo, permitindo ao FC Porto carregar, embora sem grandes efeitos práticos. Mbemba, num cabeceamento forte, quase fazia a festa, mas Douglas voltava a mostrar segurança.

A única vez que o conjunto de Ivo Vieira chegou com perigo à área contrária foi quando Davidson, em excelente posição, atirou por cima.

Os vimaranenses entraram melhor após o descanso, com mais bola e com mais ocupação do meio-campo adversário. Bonatini assustou, num cabeceamento ao lado, antes de Sérgio Oliveira disparar com perigo. Neste ‘ping pong’ de ocasiões, o lance de penálti que deu vantagem aos vimaranenses. Tapsoba não tremeu e marcou.

Logo a seguir, uma bomba de Telles deixou tudo empatado. A equipa de Ivo Vieira sentiu o golo e uma distração de Florent permitiu a Corona cruzar para Soares, sem oposição, fazer o 2-1. De imediato, Sérgio Conceição chamou Baró ao jogo e o FC Porto passou a controlar mais os ritmos do jogo. Ainda assim, Davidson, num grande remate, aos 84’, permitiu a Diogo Costa brilhar a grande altura.

Já nos descontos, o jovem guarda-redes quase deitava tudo a perder. Não conseguiu agarrar um cruzamento e num segundo momento, quando tentava corrigir o erro, foi tocado por João Pedro, que viria a marcar. Jorge Sousa recorreu ao VAR e acabou por invalidar o golo, perante a fúria de Ivo Vieira e dos seus jogadores.

Um triunfo muito complicado dos portistas, mas que acaba por se ajustar. V. Guimarães sai de cabeça erguida, porque fez tudo para levar o jogo pelo menos para os penáltis.

ANÁLISE
Laterais decisivos
O FC Porto bem pode agradecer aos laterais a vitória. Primeiro, Alex Telles, num remate portentoso sem hipóteses para Douglas. Depois, foi a vez de Corona, que até já estava como extremo, a entregar com conta, peso e medida o 2-1 a Soares.

Tochas voltam a atacar
Desta feita, foram os adeptos do V. Guimarães a usar tochas, que arremessaram para o relvado. Atitude lamentável, que levou Jorge Sousa a interromper o jogo por alguns momentos. Num jogo intenso e imprevisível falharam os adeptos.

Bem nos lances polémicos
Aos 26’, Sérgio Oliveira toca Edwards na área do FC Porto. Árbitro não viu. No 2º tempo, o árbitro assinalou (bem) penálti por toque de Soares sobre Bonatini. A terminar, João Pedro toca nas mãos de Diogo Costa antes de marcar. Golo bem invalidado.

Super Dragões deixam aviso ao treinador
"Temos de ter uma mensagem de força a nível interno, para eles sentirem o peso da força dos Super Dragões, principalmente, neste momento, o Sérgio [Conceição]. O Sérgio tem de sentir que não é ele que manda ali. Ele não é o Porto, o Porto somos nós", afirma um elemento feminino dos Super Dragões num áudio que está a circular na internet, falando do jogo desta quarta-feira: "A melhor forma de mostrarmos a nossa força é deitarmos a p*** da bancada abaixo."

"Jogo muito competitivo"
"Quero começar por dizer que foi um jogo muito competitivo, num relvado por vezes difícil", afirmou Sérgio Conceição. Destacando que "os jogadores tiveram compromisso, quiseram muito ganhar o jogo", o treinador portista explicou que agora o foco é "preparar a final".

Guimarães V. Guimarães FC Porto Marega Sp. Braga Alex Telles Douglas Soares Davidson Ivo Vieira
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)