Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Mulheres e desempregados com níveis mais baixos de literacia financeira

Relatório foi divulgado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal baseado num inquérito de 2020.
Lusa 23 de Setembro de 2021 às 15:24
Literacia financeira.
Literacia financeira. FOTO: direitos reservados
As mulheres e os desempregados estão entre os grupos com baixos níveis de literacia financeira, segundo o relatório divulgado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal sobre literacia financeira, baseado num inquérito feito em 2020.

Segundo o regulador e supervisor bancário, o inquérito de inclusão financeira (em que foram inquiridas 1.502 pessoas em entrevistas porta a porta) concluiu que "os portugueses apresentam um elevado nível de inclusão financeira", com cerca de 70% dos entrevistados no nível mais elevado de inclusão financeira, pois utilizam com regularidade a conta de depósito à ordem e detêm outros produtos financeiros, caso de depósitos a prazo (41,6%) e cartões de crédito (36,2%).

O Banco de Portugal diz que é ainda significativa a proporção de entrevistados que sabe que existe a conta de serviços mínimos bancários (50,9%) e que mesmo 23% sabem que a condição de acesso é ter uma única conta de depósitos à ordem no sistema bancário (bem acima dos 4,9% de 2015).

Quanto à inclusão financeira digital, quase metade dos entrevistados utiliza os canais digitais ('homebanking' ou 'apps') para acesso à conta de depósito à ordem e a outros produtos e serviços bancários.

Dos inquiridos, 60% fazem poupança, sendo o principal motivo fazer face a despesas imprevistas (49,8% dos entrevistados). Também poupam para despesas futuras não regulares, como férias ou viagens (15,4%), para pagar a educação e ajudar os filhos (14%) ou para a reforma (9,5%).

Na contratação dos empréstimos, cerca de 75% referem que leem a informação pré-contratual e contratual. O conselho dos bancários da instituição é a fonte de informação de 63,9% dos entrevistados quando contratam empréstimos. Nos depósitos, o trabalhador bancário é a fonte de informação para 41,4% dos entrevistados.

Há, contudo, um problema em compreender conceitos financeiros, refere o Banco de Portugal, indicando que os entrevistados revelam falhas na descrição dos conceitos de Euribor (taxa de juros média resultante de empréstimos entre bancos da zona euro, usada em contratos como crédito à habitação) e de 'spread' (taxa de juros aplicada pelos bancos nos contratos de crédito, acima da taxa de referência, como Euribor, e que pode ser entendida como a margem de lucro do banco).

Nas entrevistas, segundo o relatório, são ainda visíveis diferenças significativas entre grupos.

O índice de literacia financeira global (que junta inclusão financeira, inclusão financeira digital, gestão da poupança, escolha e gestão de produtos bancários e compreensão de conceitos financeiros) aumenta à medida que aumenta o rendimento e o nível de escolaridade.

"Os entrevistados com pelo menos o ensino secundário ou que vivem em agregados familiares com rendimentos mensais brutos acima de 1.000 euros destacam-se pelos resultados positivos no índice", refere.

As mulheres têm um índice de literacia financeira global (55,5) inferior ao dos homens (61,7).

Em proporção, menos mulheres têm contas de depósito à ordem do que os homens (89% das mulheres face a 93% dos homens) e também menos mulheres têm outros produtos financeiros para além dessa conta (66% face a 74%).

As mulheres têm também um conhecimento ligeiramente inferior ao dos homens sobre serviços mínimos bancários.

Também usam menos canais digitais do que os homens, justificando com dificuldades em utilizar a tecnologia ou preferência pelas caixas automáticas (vulgo Multibanco).

Na compreensão de conceitos financeiros, as mulheres respondem mais incorretamente do que os homens, sendo maior a diferença em questões sobre juros simples e juros compostos, na avaliação do grau de risco dos depósitos a prazo e no conceito de 'spread'.

Por faixas etárias, 74,7% das pessoas com idades entre 25 e 39 anos utilizam canais digitais, mas com 70 ou mais anos apenas 8,1% os usam, destacando-se os mais velhos por baixo nível de literacia financeira digital.

Já os jovens destacam-se pela inclusão financeira digital mas, por outro lado, apresentam um índice de literacia financeira global um pouco inferior ao dos restantes entrevistados.

Proporcionalmente, os entrevistados entre os 16 e os 24 anos têm menos conta de depósito à ordem e têm menor conhecimento sobre a conta de serviços mínimos bancários. A proporção de jovens que poupa (cerca de 60%) é semelhante à dos restantes entrevistados e poupam com mais regularidade, mas mais para despesas futuras (como férias e viagens) e menos para fazer face a gastos imprevistos.

Os conhecimentos dos jovens sobre conceitos financeiros são relativamente mais baixos do que os dos restantes entrevistados. Ainda assim, têm resultados acima da média quando questionados sobre o montante de juros a pagar num empréstimo de 25 euros, na leitura do de um extrato bancário e no cálculo de juros simples.

Os trabalhadores são o grupo populacional com melhores níveis de inclusão financeira e digital, fazendo proporcionalmente mais uso de serviços bancários e poupando mais (68,3% face a 50,6% dos restantes entrevistados).

Os trabalhadores têm ainda melhores resultados em todas as questões sobre compreensão de conceitos financeiros.

Em oposição, o índice de literacia financeira global dos desempregados (53,1) é inferior ao dos restantes entrevistados (59,3), sendo o grupo que com maior frequência não poupa e tem também menor capacidade para pagar uma despesa inesperada.

Além disso, a percentagem de desempregados com conta de depósito à ordem (85,2%) é inferior à média dos restantes entrevistados e apenas nos estudantes esta proporção é mais baixa (84%), justificando os desempregados com mais frequência que a conta de outra pessoa é suficiente.

Têm, contudo, um conhecimento sobre a conta de serviços mínimos bancários ligeiramente acima da média dos restantes entrevistados (26,1%), ainda que aquém do evidenciado pelos trabalhadores (28,2%).

BdP Banco de Portugal Euribor economia (geral) serviços financeiros banca finanças (geral)
Ver comentários