Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Mergulhador que morreu na gruta da Tailândia vai ser homenageado no sábado

Tailandês perdeu a vida depois de entregar um tanque de oxigénio aos jovens presos em gruta.
10 de Julho de 2018 às 14:06
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Militares homenageiam Samarn Kunan, o mergulhador que morreu no resgate das crianças tailandesas
Samarn morreu por falta de oxigénio numa das grutas da caverna na passada sexta-feira, aos 38 anos, durante as operações de resgate na Tailândia.

O funeral do voluntário, que morreu após entregar um tanque de oxigénio aos jovens soterrados, vai acontece no próximo sábado e a família mandou construir uma bonita estrutura de madeira para a cerimónia, que foi concluída esta terça feira.

"Logo que terminou a missão, mergulhou para regressar mas, a meio do trajeto, o companheiro encontrou Samarn inconsciente na água e tentou reanima-lo, mas não conseguiu", afirmou a unidade de fuzileiros em comunicado.

O homem era conhecido por ser um amante de aventuras e desportos, "era um atleta", referiu a sua antiga unidade na Marinha.

O herói de Chiang Rai voou até à gruta como voluntário. Sarman deixou a marinha em 2006 para trabalhar como oficial das equipas de emergência no aeroporto de Bangecoque.

O funeral vai decorrer no sábado e será prestada uma grande homenagem ao homem. A estrutura custou cerca de 7 mil euros e a cerimónia irá durar duas horas.

A família continua a receber as condolências pela morte do antigo oficial da marinha tailandesa.



Bangecoque Sarman Samarn Tailândia Chiang Rai questões sociais morte política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)