Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Victor Bandarra

Anarquistas

"De pouco serviu: virou busto estampado em t-shirts, isqueiros e berloques da lucrativa indústria de consumo capitalista."

Victor Bandarra 15 de Novembro de 2015 às 00:30

"Hay Gobierno? Soy contra!" Esta frase de cariz anarquista, com suposta origem no México, é uma das frases mais badaladas por muitos e supostos espíritos livres e utópicos. Na verdade, a origem da máxima estará na historieta anedótica do anarquista vítima de naufrágio que, ao chegar à praia de um país desconhecido, logo proclama perante os seus acolhedores habitantes: "Obrigado por me salvarem! Mas se há Governo, sou contra!"

O meu amigo Zé dos Pneus, que nunca leu o ‘Estatismo e Anarquia’, de Bakunine, adorava ser e estar contra o Governo, qualquer tipo de Governo. Olho em riste, proclamava: "É que sou muito melhor a atacar do que a defender!" É justo, porém redundante, recordar que o guerrilheiro "Che" Guevara recusou deter-se no Governo de Cuba e partiu a espalhar a Revolução. De pouco serviu: virou busto estampado em t-shirts, isqueiros e berloques da lucrativa indústria de consumo capitalista. Mas tudo isso já Marx explicou no seu ‘Capital’.

Quanto ao verbo "governar", é dos mais estranhos e ziguezagueantes que existem. É um verbo que pode ser transitivo, intransitivo e reflexo. Dá para os três lados, ou seja, para quase tudo. Transitivo quando a acção praticada pelo sujeito recai sobre uma pessoa, coisa ou animal. Por exemplo: "Pedro governa o António". Mas pode ser intransitivo, quando a acção não passa a outra pessoa. Por exemplo: "Pedro adormeceu a governar". Mas "governar" até pode ser reflexo, quando a acção recai sobre quem a pratica. Como quem diz: "Eu governo-me!" É o estilo de governar que muitos governantes gostam de desenvolver.

Nestes dias históricos, em que uns querem governar e outros não querem deixar de governar, diria o Zé que seriam os conquistadores romanos os melhores observadores e analistas da actualidade lusitana. Até porque faz parte do mito histórico nacional atribuir aos romanos Júlio César (Caio), ou a Estrabão, ou ao general Galba a autoria da frase que se tem dramaticamente ajustado que nem luva ao povo português: "Há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa, nem se deixa governar!"

Esta semana, provou-se que o seguimento da piada anarquista assenta na perfeição ao momento português: "Se há Governo sou contra, se não há Governo também sou contra!" Por simples despeito ou requintada estratégia, há por aí políticos e potenciais governantes que estão a dar em perigosos anarquistas.

México Governo Zé dos Pneus Che Guevara Cuba Júlio César Caio Galba
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)