Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Ventura acusa Governo de "correr atrás do prejuízo" e pede "sinais" para escolas e restaurantes

Sobre a audiência virtual com Marcelo, o líder demissionário do Chega assumiu ser "naturalmente contra" desconfinamento "apressado".
Lusa 9 de Fevereiro de 2021 às 16:38
André Ventura
André Ventura FOTO: Pedro Sarmento Costa / Lusa
O presidente do Chega acusou hoje o Governo de andar "a correr atrás do prejuízo, sempre um passo atrás" no combate à epidemia de covid-19, e pediu "sinais" de reabertura de escolas e pequeno comércio, designadamente restaurantes.

André Ventura admitiu mesmo "rever o sentido de voto" sobre o próximo decreto presidencial de estado de emergência se o documento acautelar o desconfinamento progressivo e cuidadoso dos setores do ensino e do comércio de rua e hotelaria, em declarações aos jornalistas nos Passos Perdidos do parlamento.

O deputado único do partido da extrema-direita parlamentar votou a favor da imposição inicial do estado de emergência, absteve-se depois num segundo, terceiro e quarto momentos e votou contra nas seguintes seis ocasiões.

"Ficou claro que o Governo anda a correr atrás do prejuízo e a lutar contra esta pandemia sempre um passo atrás", resumiu, referindo-se à 15.ª reunião do Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) sobre a evolução da situação epidemiológica da covid-19 em Portugal, que voltou a juntar hoje peritos, titulares de órgãos de soberania, forças políticas e parceiros sociais.

Portugal deverá continuar com o nível de confinamento atual até meados de março, afirmou hoje a ministra da Saúde, Marta Temido, apesar de o pico da terceira vaga da epidemia de covid-19 já ter sido atingido em 29 de janeiro, com 1.669 casos cumulativos a 14 dias por 100 mil habitantes, com uma "tendência decrescente", segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

"Foi aquilo para que avisamos desde início, estamos a caminhar a passos largos para o precipício [económico]. Se o Governo não vê isto a tempo, quando quisermos remediar pode já ser tarde de mais", sublinhou Ventura.

Sobre a audiência virtual com o Presidente da República, o líder demissionário do recém-formado partido político assumiu ser "naturalmente contra", como pensa que todos os partidos são, "um desconfinamento apressado, absoluto e imediato".

"O que propusemos ao Presidente foi que deviam ser dados dois sinais específicos neste novo estado de emergência: reabertura do ensino e pequeno comércio, restauração e hotelaria. Não podemos ter uma abertura total e imediata, mas podemos dar um sinal de reabertura", defendeu.

Portugal registou hoje 203 mortes relacionadas com a covid-19 e 2.583 casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a DGS.

A covid-19 já matou cerca de 14.500  pessoas em Portugal, entre os mais de 750 mil casos de infeção.

O novo coronavírus foi detetado pela primeira vez na China no final de 2019, e, desde então, provocou mais de 2,3 milhões de mortos em todo o mundo.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários