Leitores partilham experiências e imagens do sismo

Conte-nos o que viveu enviando um e-mail para eusoucm@cmjornal.pt.
04.09.18
Partilhe com o Correio da Manhã o que está a viver esta terça-feira, após o sismo de magnitude 4,6 na escala de Ritcher que abalou o Norte e Centro do país.

Envie o seu relato para eusoucm@cmjornal.pt, com indicação do seu nome e zona onde está.

Pode também usar a secção Eu Repórter CM e enviar diretamente essas informações para o site do CM.

Um leitor garantiu ter sentido um sismo "de intensidade moderada" em Aveiro. "O prédio tremeu e abanou as janelas", confessou Mário Fernandes, que admite que o abalo "teve a duração de cerca de 30 a 40 segundos". 

Paula Lima Carneiro mora no Porto e garante que sentiu "um abanão". "Várias pessoas aqui da zona sentiram. Tinha acordado, estava de pé e senti tudo a abanar. Foi uma sacudidela", disse, assegurando que, na sua zona, a população reagiu de forma tranquila. "Foi tudo muito rápido e não tive tempo para ter medo". 

Em Vila Nova de Famalicão, o leitor Pedro Moreira garante que "foi uma sensação estranha ver a cama e as persianas a abanarem". "Eu e a minha esposa sentimos o sismo cerca das 07h14 da manhã, estávamos precisamente a preparar-nos para mais um dia de trabalho", garante.

Carlos Castanheira diz ter acordado de uma "forma diferente, com um forte barulho e tudo a tremer". "A minha esposa quando me viu levantar disse-me logo que era um pequeno tremor de terra. Foram poucos segundos mas sentiu-se bem", relata o leitor de Lourosa, Santa Maria da Feira.

A leitora Amélia Caetano, residente na Póvoa de Varzim, estava a preparar-se para mais um dia de trabalho quando ouviu um som que lhe pareceu trovoada. "As coisas que tinha em cima dos móveis da sala começaram a abanar. No momento em que tomei consciência de que era um tremor de terra deixei de o sentir", explica.

Também em Santa Maria da Feira, o local do país onde se sentiu o abalo com maior intensidade, o leitor José Paulo conta que estava a tomar o pequeno almoço quando começou a ouvir um barulho semelhante ao de "um camião de grandes dimensões a passar na via", seguido de um tremer das janelas.

Em Espinho, no distrito do Porto, Olinda Silva sentiu todo o seu prédio a abanar. A leitora Graça Anjos, de Vila Real, conta que sentiu o tremor de terra, apesar de por poucos segundos.

Em Oliveira de Frades, Viseu, Liliana Bastos acordou com os vidros da janela a fazer barulho e com a cama a abanar. "Foi uma coisa rápida. Falei com mais pessoas da zona que também sentiram o abalo", revela.

A leitora Ana Madaíl, natural de Viseu, também sentiu o abalo sísmico. "Senti a cama a tremer e também a porta da casa de banho", explicou, referindo que foi tudo muito rápido. "Não tive tempo para ter medo. Depois fui confirmar à internet e tinha realmente havido um sismo", disse.

O leitor Luís Gustavo, de Vila Nova de Gaia, também partilhou com o CM o que sentiu. "O sismo durou mais ou menos seis a sete segundos. Estava a dormir e senti a cama a tremer, acordei, continuei a sentir, liguei a luz do candeeiro e reparei que se estava mexer", conta, fazendo acompanhar o seu relato por um vídeo do momento.

Sismo de magnitude 4.6 na escala de Richter sentido no norte e no centro do país



Em Vila Nova de Famalicão o sismo também foi sentido. "As janelas abanaram bem e as portadas começaram a fazer barulho e a bater", sublinhou a leitora Filomena Tomás, dizendo até que as cadelas ficaram assustadas. "Foi uma sensação estranha", ressalvou.

O abalo sísmico foi igualmente sentido na freguesia de Mozelos, em Santa Maria da Feira. "Teve a duração de não mais de 10 segundos. Foi semelhante a um relâmpago", disse o leitor André Silva. "Sentiu-se muita agitação nos nossos cães", disse.

Em São Mamede de Infesta, em Matosinhos, o leitor Joaquim Felgueiras diz que o sismo "fez estremecer todo o edifício como nunca tinha sentido" e que "quase fui empurrado para fora da cama". "Se tivesse durado mais uns segundos tenho a certeza de que dava para assustar", relatou.

"Estava a dormir quando acordei sentada na cama", disse a leitora Soraya Pereira, em Viana do Castelo. Sentiu a porta do roupeiro a abanar ligeiramente. "Durou uns 30 segundos", explicou. 

Em Paços de Ferreira, a leitora Sandrine Marques adiantou que "a porta da cozinha abanou toda" e que o abalo sísmico foi também sentido nesta cidade do distrito do Porto.

Na freguesia de Maximinos, em Braga, o leitor Marcelo Balbino sentiu o sismo quando "a cama começou a tremer e no telhado parecia que uma bola de ferro se atravessava de um lado ao outro". Diz ainda que foi tudo muito rápido.

Em Santa Maria da Feira, na zona da Cruz, o leitor Porfírio Sá relata que sentiu "um pequeno abanão na cama". "Não me assustou dada a sua fraca intensidade e a sua muito curta duração", sublinhou.

A leitora Natália Costa, de Vila Nova de Famalicão, também sentiu o abalo, durante "pelo menos 15 segundos", e diz tê-la assustado um pouco, apesar de parecer "não ter causado danos".

Já em Esmoriz, a leitora Deise Rodrigues diz que o seu pai sentiu os vidros das janelas a tremer. "A minha mãe, no quarto ao lado, teve uma experiência semelhante à minha. Também acordou com o abanão", disse. 

Na Sertã, distrito de Castelo Branco, o leitor César Carvalho sentiu "perfeitamente" o abalo e ouviu um grande ruído. "Era semelhante a uma máquina pesada em funcionamento", relatou. 

Em Vila Nova de Gaia, na zona do Candal, a leitora Aurora Nunes explicou que, depois do abalo sísmico, não conseguiu dormir e que ainda se sente apreensiva. "Eu e a minha família acordamos em sobressalto devido ao grande abanão que sentimos, com as portas dos roupeiros a tremerem imenso", disse.

O leitor Campo Linho, em Cinfães, estava no computador quando sentiu o sismo. "Apercebi-me que era um sismo, mas como é a primeira vez que acontece aqui, fui dar uma volta pela casa", explicou.

Em Moreira, na Maia, a leitora Serena Santos ouviu um "barulho". "Tudo à minha volta começou a tremer gradualmente. Durou entre 20 e 30 segundos. Havia uma sensação estranha no ambiente", sublinhou.

Em Vila Nova de Famalicão, o leitor Germano Cardoso relata que estava a ouvir música quando sentiu o sismo. "Senti que o chão abanou ou se deslocou um pouco", disse.

"Acordei sobressaltada com toda a casa a tremer". Palavras da leitora Luciana Seabra, em Matosinhos. "A cama batia na parede e todos os objetos sobre os móveis abanava freneticamente", explicou, sublinhando que nunca tinha sentido algo semelhante.

A leitora Mariana Machado, de Guimarães, diz que se assustou com o sismo. "Pensei que fosse alguém da minha família a pregar-me uma partida", sublinhou.

O leitor Alberto Gomes, de Santa Maria da Feira, diz que sentiu dois abalos.

- A imprensa internacional também deu destaque ao sismo que abalou o Norte e Centro do país. 




- O Daily Mail também fez referência ao abalo e registou vários relatos de turistas em Portugal, nomeadamente no Porto e em Lisboa.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!