Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Demitiu-se o adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil

Francisco José Ferreira terá recomendado as empresas que forneceram 70 mil golas antifumo inflamáveis.
Lusa 29 de Julho de 2019 às 12:30
Francisco José Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Protecção Civil
Francisco José Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Protecção Civil
Golas são 100% poliéster, material inflamável
Francisco José Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Protecção Civil
Francisco José Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Protecção Civil
Golas são 100% poliéster, material inflamável
Francisco José Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Protecção Civil
Francisco José Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Protecção Civil
Golas são 100% poliéster, material inflamável
O técnico Francisco Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, demitiu-se esta segunda-feira, após ter sido noticiado o seu envolvimento na escolha das empresas para a produção dos 'kits' de emergência para o programa "Aldeias Seguras".

Numa nota enviada à agência Lusa, o gabinete do ministro da Administração Interna informa que "o Técnico Especialista Francisco José da Costa Ferreira pediu a exoneração de funções no Gabinete do Secretário de Estado da Proteção Civil".

O pedido foi aceite pelo secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, acrescenta a mesma nota oficial.

A imprensa de hoje avança que Francisco Ferreira, também presidente da concelhia do PS/Arouca, foi quem recomendou as empresas para a compra das 70 mil golas antifumo inflamáveis, 15 mil 'kits' de emergência com materiais combustíveis e panfletos entregues às 1909 povoações abrangidas pelo programa.

No sábado, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, mandou abrir um inquérito urgente sobre contratação de material de sensibilização para incêndios, na sequência de notícias sobre golas antifumo com material inflamável distribuídas no âmbito do programa "Aldeias Seguras".

Em comunicado, o ministério referia que "face às notícias publicadas sobre aspetos contratuais relativamente ao material de sensibilização, o ministro da Administração Interna pediu esclarecimentos à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e determinou a abertura de um inquérito urgente à Inspeção-Geral da Administração Interna".

A imprensa noticiou na sexta-feira que 70 mil golas antifumo fabricadas com material inflamável e sem tratamento anticarbonização, que custaram 125 mil euros, foram entregues pela proteção civil no âmbito dos programas "Aldeia Segura" e "Pessoas Seguras".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)