Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

PCP considera que medidas anunciadas por António Costa são insuficientes

Partido sublinha que medidas só respondem em parte aos danos e prejuízos causados pelo incêndio de Monchique.
11 de Agosto de 2018 às 18:10
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa chega à sede da ANPC
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa chega à sede da ANPC
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa anuncia programa de reordenamento económico da Serra de Monchique
António Costa chega à sede da ANPC
O PCP considerou este sábado que as medidas de apoio anunciadas na sexta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, só respondem em parte aos danos e prejuízos causados pelo incêndio que lavrou durante uma semana em Monchique, afetando também Silves e Portimão.

"As medidas anunciadas ontem pelo primeiro-ministro apenas respondem parcialmente à dimensão deste sinistro", afirmou Vasco Cardoso, membro da comissão política do Comité Central do PCP, numa conferência de imprensa realizada nas instalações do partido em Faro, sobre o incêndio que durante uma semana afetou Monchique e Silves, atingindo também, em menor proporção, Portimão (todos no distrito de Faro) e Odemira (no distrito de Beja).

O dirigente comunista recordou que "nem uma parte das medidas que foram inscritas no Orçamento do Estado para 2018, que foi aprovado com o voto favorável do PCP, foram cumpridas", e exemplificou com "o reforço de meios" nos ministérios da Agricultura e do Ambiente ou a integração de guardas-florestais, assuntos que se têm "vindo a arrastar".

"É necessário investimento a sério do ponto de vista dos meios e recursos públicos, que não podem estar aprisionado pelas regras do défice das contas públicas e pelas restrições orçamentais", afirmou, recordando a opção de apoiar o sistema financeiro devido à crise, com a qual "o PCP esteve contra".

Para o PCP, os incêndios florestais "não são um problema menor" e precisam de "investimento público desta ordem de grandeza" para "resolver os problemas com que este sábado estão confrontados o interior e o mundo rural, a serra algarvia e grande parte do interior".

"É neste sentido que consideramos que as medidas anunciadas por parte do primeiro-ministro são escassas, limitadas, insuficientes e incapazes de responder estruturalmente a um problema que está colocado. Passaram-se 15 anos do incêndio de Monchique e a constatação que fazemos é que este sábado, 15 anos depois, a serra de Monchique estava mais mal preparada do que aquilo que estava há 15 anos para responder a uma catástrofe desta dimensão", opinou.

Por isso, Vasco Cardoso defendeu que "se não se tomarem medidas do ponto de vista do investimento público" será "uma questão de tempo até outra tragédia desta dimensão voltar a acontecer".

O PCP, sublinhou, não quer que o país rume nesse sentido.

"É num sentido diferente daquele que se tem vindo a evoluir pelo qual nos continuaremos a bater, com um conjunto de iniciativas que estamos aqui a anunciar, como a presença do secretário-geral do PCP [Jerónimo de Sousa] no terreno, na próxima quarta-feira", referiu.

O PCP defendeu que "os critérios utilizados no apoio às populações vítimas dos incêndios de Pedrógão e de 15 outubro de 2017 devem ser os mesmos aplicados às populações de Monchique, Silves, Portimão e Odemira" e devem ser "acionados o quanto antes".

Sobre o programa de reordenamento económica da serra algarvia anunciada por António Costa e que junta os municípios afetados e entidades oficiais, Vasco Cardoso disse que os sucessivos governos têm reagido a este tipo de acontecimentos com "anúncios de novos programas, novos investimentos e novas medidas", mas depois "perde-se a noção entre aquilo que já foi anunciado e aquilo que está efetivamente a ser cumprido".

"Aguardaremos com expectativa relativamente a esse programa que foi anunciado, mas tememos que seja mais um anúncio que muitas vezes fica a intensão e a consequência fica por concretizar", disse ainda o dirigente do PCP.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)