Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Faltam orçamentar 100 milhões para o programa de manuais gratuitos

No próximo ano letivo, estima-se que a medida custará cerca de 145 milhões de euros.
17 de Maio de 2019 às 08:24
Gratuitidade nos manuais escolares para os alunos do 1.º ano do 1.º ciclo entra em vigor no próximo ano
Manuais escolares
Manuais escolares
Manuais escolares
Gratuitidade nos manuais escolares para os alunos do 1.º ano do 1.º ciclo entra em vigor no próximo ano
Manuais escolares
Manuais escolares
Manuais escolares
Gratuitidade nos manuais escolares para os alunos do 1.º ano do 1.º ciclo entra em vigor no próximo ano
Manuais escolares
Manuais escolares
Manuais escolares
O orçamento previsto para a distribuição gratuita de manuais escolares a todos os alunos do ensino obrigatório está 100 milhões abaixo da despesa estimada para o próximo ano letivo, revela uma auditoria do Tribunal de Contas.

Esta é uma das conclusões da auditoria realizada pelo Tribunal de Contas (TdC) ao programa do Governo que este ano disponibilizou gratuitamente manuais aos cerca de 500 mil alunos do 1.º e do 2.º ciclos.

No próximo ano letivo, a medida será alargada a todos os estudantes do ensino obrigatório que frequentem escolas públicas e estima-se que custará cerca de 145 milhões de euros.

No entanto, o orçamento do Instituto de Gestão Financeira da Educação (IGeFE) para 2019 é de apenas 47 milhões de euros, ou seja, as verbas cobrem apenas cerca de um terço das necessidades.

O orçamento do IGeFE prevê apenas a oferta de manuais aos alunos do 1.º e 2.º ciclos, mas o estabelecido na Lei do Orçamento do Estado para 2019 define o alargamento até ao 12.º ano.

Perante este contexto, o TdC recomenda ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que garanta "a inscrição no Orçamento do Estado das dotações apropriadas à execução da medida".

A suborçamentação não é um problema apenas para o futuro, tendo acontecido também este ano letivo: a distribuição gratuita de manuais custou 29,8 milhões de euros aos cofres do Estado, mas foram orçamentados apenas 28,7 milhões de euros, o que "se revelou insuficiente" face ao necessário para a sua execução, lê-se no relatório a que a Lusa teve acesso.

Esta diferença deveu-se ao facto de estarem orçamentadas verbas apenas para comprar manuais para os alunos do 1.º ciclo e o Governo ter entretanto decidido alargar a medida aos estudantes do 2.º ciclo.

A agravar esta diferença está o facto de em março de 2019 permanecerem "em dívida às livrarias pelo menos 3,1 milhões de euros", segundo o relatório.

No entanto, no contraditório, o Ministério da Educação salientou que "o valor identificado como dívida pode ser somente o reflexo do desfasamento temporal entre o registo contabilístico por parte das escolas".

As regras definiam que o pagamento às livrarias deveria ter acontecido entre setembro e outubro do ano passado, com o TdC a reconhecer que, apesar de dificuldades reportadas pelas escolas, "a insuficiente orçamentação (...) constitui o fator determinante para a existência da dívida".

Desde que a medida foi criada, em 2016, as verbas têm vindo a aumentar assim como os alunos abrangidos: no ano letivo de 2016/2017 chegou apenas aos estudantes do 1.º ano do 1.º ciclo e no ano seguinte foi alargado aos quatro anos do 1.º ciclo.

Outro dos problemas referidos na auditoria foi o mau funcionamento das plataformas que tratam da distribuição de manuais. A consequência foi o atraso na disponibilização dos vales necessários para levantar os livros, "prejudicando a eficácia da medida".

Perante as falhas detetadas, o TdC recomenda ao ministério que promova "a interoperabilidade das plataformas dos serviços centrais e das escolas, com informação atualizada, essencial à eficácia da medida".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)