Hospital das Forças Armadas só tem um psiquiatra a tempo inteiro

Dificuldades orçamentais resultam em carência de recursos.
Por Sérgio A. Vitorino|13.01.19

O Hospital das Forças Armadas (HFAR), em Lisboa, tem apenas um médico psiquiatra (a diretora do serviço) a tempo inteiro, numa altura em que inaugurou novas instalações com doze camas, para tratar militares ao serviço, na reserva ou reforma e seus familiares, bem como elementos da GNR e da PSP.

As dificuldades a nível de recursos humanos derivam de "dificuldades orçamentais", assume ao CM a diretora do HFAR, brigadeiro-general médica Regina Mateus. "Os restantes psiquiatras estão a tempo parcial, representando o equivalente a 3 médicos a tempo inteiro." O serviço tem vindo a crescer, tendo já uma equipa de enfermagem "com elevado nível de qualificações".

A condição militar é de desgaste rápido, "que implica exposição a situações violentas e uso de armas", pelo que o serviço de Psiquiatria do HFAR é "uma valência de apoio médico de extrema relevância", afirma Regina Mateus.

A brigadeiro-general revela que as principais patologias entre os operacionais são "stress pós-traumático, perturbações do sono, quadros ansiosos, reações agudas de stress e quadros depressivos". Alguns casos surgem em militares destacados. "São pontuais e relacionadas com situações inopinadas e subsequentes à exposição a situações de violência extrema", explica. O apoio estende-se às famílias. "Não é fácil estar meses ou anos sozinho/a com filhos pequenos, muitas vezes sem possibilidade de contactar ou saber notícias do militar", conta Regina Mateus.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!