Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

Blatter fala de "vergonha e humilhação"

Líder da FIFA demarca-se das acusações de corrupção.
28 de Maio de 2015 às 17:38
Blatter falou na abertura do 65.º congresso da FIFA
Blatter falou na abertura do 65.º congresso da FIFA FOTO: Walter Bieri/EPA
O presidente da FIFA, Joseph Blatter, abriu esta quinta-feira o congresso da instituição, em Zurique, falando da "vergonha e humilhação" sentidas pela detenção de vários dirigentes do futebol mundial, acusados de corrupção e associação criminosa.

"Vêm aí mais más notícias", advertiu também o candidato a novo mandato à frente da FIFA, de 79 anos, que sexta-feira deverá ir às urnas contra o jordano Ali bin al Hussein, em pleno clima de escândalo, desencadeado pela detenção de nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA.

Blatter não fugiu ao caso e afirmou que "os suspeitos detidos lançam a vergonha e a humilhação" sobre o futebol, mas também se demarcou, frisando que "não poder vigiar toda a gente".

Na abertura do 65.º congresso da FIFA, foi claro que Blatter pretende mostrar-se acima do caso, desencadeado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. "Não posso vigiar todos os membros da nossa família no mundo", defendeu-se, antes de dizer que "não há refúgio para a corrupção" no seio das FIFA e que o organismo "coopera com as autoridades.

"Não estamos no futebol pelo poder"
"É preciso restabelecer a confiança no nosso seio. É preciso fazer mais para que cada um se comporte de forma responsável e ética e o congresso vai dar-nos a ocasião para abrir essa grande obra de restabelecer a confiança em parte perdida", disse ainda.

Para Blatter, a equipa dirigente "é soberba" e é importante "não perder de vista o espírito do futebol" e "por alterações positivas".

"Não estamos no futebol pela cupidez ou pelo poder, mas pelo amor a este jogo. A solidariedade e a unidade são necessárias", apelou ainda.

Subornos de 140 milhões de euros
O Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Entre os acusados estão dois vice-presidentes da FIFA, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Caimão e que é também presidente da CONCACAF (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas), assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Dos restantes dirigentes indiciados fazem parte o brasileiro José María Marín, membro do comité da FIFA para os Jogos Olímpicos Rio2016, o costarriquenho Eduardo Li, Jack Warner, de Trinidad e Tobago, o nicaraguense Júlio Rocha, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Caimão.

A FIFA suspendeu provisoriamente 12 pessoas de toda a atividade ligada ao futebol: os nove dirigentes ou ex-dirigentes indiciados e ainda Daryll Warner, filho de Jack Warner, Aaron Davidson e Chuck Blazer, antigo homem forte do futebol dos Estados Unidos, ex-membro do Comité Executivo da FIFA e alegado informador da procuradoria norte-americana, que já esteve suspenso por fraude.

A acusação surge depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido Webb, Li, Rocha, Takkas, Figueredo, Esquivel e Marin na quarta-feira, num hotel de Zurique, a dois dias das eleições para a presidência da FIFA, à qual concorrem o atual presidente, o suíço Joseph Blatter, e Ali bin Al-Hussein, da Jordânia.

Simultaneamente, as autoridades suíças abriram uma investigação à atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar.

Presidente da Traffic detido
O presidente da Traffic Sports USA, Aaron Davidson, foi detido por alegadas práticas de corrupção. Davidson é um dos cinco parceiros da FIFA indiciadados na investigação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Traffic é a proprietária do Estoril-Praia. A empresa de markting é também a organizadora da Copa América e detentora de direitos televisivos de vários campeonatos.

ONU revê acordos de cooperação
A Organização das Nações Unidas (ONU) informou que está a rever os atuais acordos de colaboração com a FIFA, na sequência do escândalo de corrupção que está a abalar o organismo máximo do futebol.

A ONU e as suas agências têm tido como prática associarem-se a alguns eventos desportivos organizados pela FIFA e por outras entidades, através de convénios sem contrapartidas financeiras, para promoverem a paz, a tolerância, combater a pobreza, defender os direitos humanos e alertar para questões ambientais.

"Estamos a dar uma vista de olhos nas atuais colaborações e a ver como evolui a situação, mas ainda é cedo", afirmou Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário- geral da ONU, Ban Ki-moon, na conferência de imprensa diária, um dia após a detenção de sete destacados membros da FIFA.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)