Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Leão feliz no Jamor deixa Jesus e Sérgio Conceição sobre pressão

Sporting segue destacado no campeonato, mas sofreu para vencer um Belenenses SAD que merecia outro resultado.
Filipe António Ferreira, Rui Pando Gomes e A.L. 28 de Dezembro de 2020 às 01:30
Tiago Tomás esteve em bom nível no jogo e marcou o quinto golo na atual edição do campeonato
Tiago Tomás esteve em bom nível no jogo e marcou o quinto golo na atual edição do campeonato FOTO: Pedro Ferreira
Ao décimo primeiro jogo seguido sem perder na Liga, a nona vitória e o triunfo isolado do Sporting. Uma partida sofrida que acabou decidida no primeiro tempo com um penálti de João Mário, logo depois de o Belenenses SAD ter falhado um castigo máximo.

Se a entrada de Gonçalo Inácio para o onze já era esperada, a inclusão de Bruno Tabata, em vez de Nuno Santos, surpreendeu e de que maneira. Logo a abrir, o brasileiro fez tudo o que quis da defesa azul e entregou para Tiago Tomás fazer o quinto golo da época na Liga.

Tudo se perspetivava para um jogo tranquilo do líder. Nada mais errado. A equipa de Petit usou a profundidade para provocar calafrios na defesa leonina. Aos 14’, Miguel Cardoso aproveitou a passividade contrária para empatar, beneficiando de um desvio de Gonçalo Inácio que traiu Adán. Praticamente a seguir nova bola nas costas, com Miguel Cardoso a chocar com Adán na área. O árbitro assinalou penálti, mas o avançado do Belenenses viria a desperdiçar, ou melhor, Adán foi mais perspicaz e defendeu.

Ritmo de parada e resposta com novo lance de penálti, agora para o Sporting e ainda antes da meia hora de jogo. Tiago Tomás, sempre ele, sofreu falta de Tiago Esgaio e ao contrário do que aconteceu na outra baliza Kritciuk não agarrou o remate vitorioso de João Mário. Naquela que terá sido uma das melhores primeiras partes da Liga e apesar do mau estado do relvado, o Bele- nenses podia ter empatado em duas ocasiões. O espanhol Adán voltou a brilhar a grande altura, evitando os golos de Afonso Sousa e de Miguel Cardoso. Também Nuno Mendes teve hipótese para dilatar o marcador, mas Kritciuk resolveu.

Rúben Amorim sentia que tinha de fazer algo para não permitir a superioridade do Belenenses, que tinha acontecido em grande parte do primeiro tempo. Mas os azuis tinham outros planos e nos primeiros minutos após o descanso teve mais duas boas chances para o empate. Adán voltou a ser gigante e segurou a vantagem.

A partir daí, o Sporting passou a ter mais controlo do jogo, com o Belenenses a espreitar, aqui e ali, o ataque. Segue-se o Sp. Braga no segundo dia de 2021.

"O Petit preparou melhor o jogo"
"Foi um jogo muito complicado, até porque o Belenenses adaptou-se melhor ao relvado. O Petit esteve melhor do que eu na preparação do jogo", disse Rúben Amorim. "O relvado não é desculpa, mas dificultou-nos muito o jogo. Abusámos muitas vezes do passe longo", salientou o técnico do Sporting, que este domingo voltou ao banco após uma suspensão de 15 dias. "Os jogadores deram tudo, mas faltou que o treinador tivesse preparado melhor o jogo. Não está fácil vencer, mas esta equipa é muito difícil de bater", referiu.
Sobre o apoio dos adeptos à chegada ao Jamor, o treinador agradeceu e destacou a "importância" do carinho sentido pelo plantel. Rúben Amorim garante que a equipa vai continuar "a dar o máximo": "Enquanto forem jogadores do Sporting têm de dar sempre tudo." O Sporting tem um mês de janeiro complicado, com oito jogos possíveis (se chegar à final da Taça da Liga). No último duelo do mês recebem o rival Benfica (atual 2º classificado).

"Estamos frustrados"
"É injusto [o resultado]. Estamos frustrados. Os jogadores estão tristes pelo que fizeram nos 90 minutos", disse Petit, treinador do Belenenses SAD.

Análise ao jogo
Positivo: À frente e na baliza
Tiago Tomás foi sempre uma seta à baliza do Belenenses até ter gás. Do lado oposto, Adán – apesar de algumas desatenções – acabou por ser gigante para segurar uma vantagem que mantém o leão destacado, a olhar para baixo na classificação da Liga. 

Negativo: Pote perdido
O melhor marcador da Liga praticamente não esteve em jogo. Talvez a falta de Nuno Santos (entrou só no segundo tempo) tenha sido a justificação para um menor fulgor. Os laterais também não deram a habitual profundidade ao ataque do líder.

Arbitragem: Choque de difícil análise
Difícil análise no lance do penálti para o Belenenses. Dúvidas se Adán tocou na bola antes do choque com Miguel Cardoso. Bem ao ver a falta sofrida por Tiago Tomás na área dos azuis. Bem no duplo amarelo e vermelho a Tomás Ribeiro perto do fim.

Análise aos jogadores
Tiago Tomás - Cumpriu a missão que lhe foi atribuída por Rúben Amorim na frente de ataque. Marcou o primeiro golo no arranque do jogo e esteve no lance do penálti que originou o segundo.
Adán – Esteve no melhor e no pior. Fez várias defesas que podiam ter dado golo ao adversário, entre elas um penálti que ele próprio causou.
Gonçalo Inácio – Jogou pela primeira vez a titular, mas foi infeliz ao contribuir para o golo do Belenenses SAD.
Coates – Falhou em alguns lances que podiam ter dado golo para o adversário.
Neto – Evitou males maiores para Adán, apesar de não ter estado a 100% na defesa.
Porro – Esteve presente onde foi necessário, sem grande protagonismo.
Palhinha – Andou discreto em quase todo o jogo.
João Mário – Fez um grande passe para Tiago Tomás, que deu origem ao penálti que ele próprio marcou. Foi o seu primeiro golo após o regresso.
Nuno Mendes – Mostrou bons movimentos e quase marcou num remate cruzado.
Tabata – Foi a grande novidade ao jogar pela primeira vez a titular. Mostrou trabalho na jogada do primeiro golo.
Pedro Gonçalves – Esteve pouco ativo na partida.
Nuno Santos – Refrescou o ataque mas sem brilhar.
Matheus Nunes – Quase não se viu em campo.
Antunes – Cumpriu a missão de aguentar o jogo.
Sporar – Entrou para fazer uma falta.
Ver comentários