Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Partidos gastam mais dinheiro nas campanhas para as autárquicas em Lisboa e no Porto

Moedas, com 300 mil euros, e Medina, com 236,5 mil, têm maiores orçamentos em Lisboa. Candidato do PSD no Porto tem 200 mil euros.
João Maltez e Lusa 12 de Agosto de 2021 às 08:47
Carlos Moedas, candidato da coligação Novos Tempos, liderada pelo PSD
Fernando Medina, recandidato à Câmara de Lisboa pelo PS
Vladimiro Feliz, candidato do PSD no Porto
Tiago Barbosa Ribeiro é o candidato do PS na cidade Invicta
Carlos Moedas, candidato da coligação Novos Tempos, liderada pelo PSD
Fernando Medina, recandidato à Câmara de Lisboa pelo PS
Vladimiro Feliz, candidato do PSD no Porto
Tiago Barbosa Ribeiro é o candidato do PS na cidade Invicta
Carlos Moedas, candidato da coligação Novos Tempos, liderada pelo PSD
Fernando Medina, recandidato à Câmara de Lisboa pelo PS
Vladimiro Feliz, candidato do PSD no Porto
Tiago Barbosa Ribeiro é o candidato do PS na cidade Invicta
A campanha eleitoral para as autárquicas, que decorrem a 26 de setembro, nos concelhos de Lisboa e do Porto serão as mais dispendiosas para os partidos e coligações. Na capital, os gastos estimados atingem os 795 mil euros e para a cidade Invicta estão destinados 517 mil euros.

Tendo em conta os orçamentos de campanha disponibilizados pela Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, os gastos totais previstos são 31 milhões de euros na campanha eleitoral das autárquicas, menos do que os 35 milhões de há quatro anos, segundo a Lusa.

De todas as candidaturas aos 308 concelhos do País, a mais cara é a de Carlos Moedas, que concorre a Lisboa numa coligação que junta PSD, CDS-PP, Aliança, Partido da Terra e PPM tem despesas previstas de 300 mil euros.

Já o atual presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, prevê gastar 236 500 euros, menos do que os 249 mil euros que orçamentou quando concorreu há quatro anos à mesma autarquia.

A CDU orçamentou 100 mil euros para a campanha de João Ferreira a Lisboa, enquanto o BE, com Beatriz Gomes Dias, prevê gastar 59 mil euros. Já Bruno Horta Soares, do Iniciativa Liberal, tem um orçamento de 41 mil euros; Manuela Gonzaga, do PAN, tem à disposição quase 33 mil euros; enquanto o Chega prevê gastar 16 mil euros com a campanha de Nuno Graciano.

No Porto, a campanha de Vladimiro Feliz, do PSD, é a mais cara, com 200 mil euros de despesas, seguida da de Tiago Barbosa Ribeiro, do PS, com 167 mil euros e da de Ilda Figueiredo (CDU), com 57 mil euros

Ainda na Invicta, Sérgio Aires (BE) vai gastar 48 mil euros, António Fonseca (Chega) 16 mil, Bebiana Cunha (PAN) 14,5 mil, Diogo Dantas (PPM) 10 mil, Diamantino Raposinho (Livre) 4,6 mil e Bruno Rebelo (Ergue-te), 400 euros.

pormenores
Setúbal também no pódio
Setúbal é o terceiro concelho com maior orçamento para as campanhas eleitorais, com 378 mil euros de despesa prevista pelo conjunto dos partidos e coligações. O candidato da CDU, André Martins, tem o maior orçamento para a campanha destas autárquicas: 140 mil euros.

Aproveitar taxas baixas
Em Setúbal, o PS apresenta como candidato Fernando José, cujo orçamento da campanha será de 75 mil euros, enquanto Fernando Negrão, candidato do PSD, contará com 46 mil. O bloquista Fernando Pinho terá um montante de 16 mil euros.
Ver comentários