Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Memorando de major assume encenação em Tancos

Papel deixado a chefe de gabinete de Azeredo Lopes admite denúncia encomendada.
Sérgio A. Vitorino 11 de Outubro de 2018 às 01:30
Major Vasco Brazão, da PJ Militar, é uma figura central do processo porque pode comprometer o ministro da Defesa
Major Vasco Brazão a ser levado para interrogatório no Campus de Justiça de Lisboa
Major Vasco Brazão a ser levado para interrogatório no Campus de Justiça de Lisboa
Azeredo Lopes
Azeredo Lopes
Major Vasco Brazão, da PJ Militar, é uma figura central do processo porque pode comprometer o ministro da Defesa
Major Vasco Brazão a ser levado para interrogatório no Campus de Justiça de Lisboa
Major Vasco Brazão a ser levado para interrogatório no Campus de Justiça de Lisboa
Azeredo Lopes
Azeredo Lopes
Major Vasco Brazão, da PJ Militar, é uma figura central do processo porque pode comprometer o ministro da Defesa
Major Vasco Brazão a ser levado para interrogatório no Campus de Justiça de Lisboa
Major Vasco Brazão a ser levado para interrogatório no Campus de Justiça de Lisboa
Azeredo Lopes
Azeredo Lopes
O memorando entregue ao chefe de gabinete do ministro da Defesa pelo major Vasco Brazão, inspetor-chefe da PJ Militar - que garante que Azeredo Lopes teve conhecimento do mesmo -, dando conta que a recuperação do arsenal furtado em Tancos foi uma encenação, referirá explicitamente que o esquema foi forjado às escondidas da Polícia Judiciária civil por imposição do informador, que não queria ser perseguido criminalmente.

O chefe de gabinete, tenente-general Martins Pereira, que saiu do cargo em dezembro passado - um mês após a reunião denunciada por Brazão -, fez ontem saber que por intermédio do seu advogado entregou na tarde de terça-feira "a documentação verdadeira" no Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

Assumiu assim o memorando. Na semana passada, Martins Pereira não deu conta de ter recebido qualquer documento, confirmando apenas a reunião com Brazão e Luís Vieira e que "não me foi possível descortinar qualquer facto que indiciasse irregularidade ou indicação de encobrimento de eventuais culpados do furto de Tancos".

O CM sabe que o mesmo documento, que o advogado de Vasco Brazão, Ricardo Sá Fernandes, deverá entregar ao Ministério Público no novo interrogatório já requerido pelo major, admite que a chamada de uma cabine telefónica do Montijo dando conta do abandono das armas na Chamusca não foi anónima, pelo contrário.

Estará escrito que foi o próprio Brazão a ordenar a um outro investigador da PJM que a fizesse.

Defesa de Vasco Brazão admite chamar ministro 
Luís Vieira e o informador, João Paulino, são os únicos dos nove detidos em preventiva. Brazão está em domiciliária. O advogado do major disse ontem esperar que o ex- -chefe de gabinete do ministro "honre a verdade e diga a verdade" sobre o memorando.

Sá Fernandes admitiu que poderá requerer a inquirição do ministro da Defesa. Em causa está a operação forjada pela PJM e GNR de Loulé para a recuperação, em outubro de 2017, das armas furtadas de Tancos em junho.

"Um dia haverá de se saber o que cada um sabia desta história"
O líder parlamentar do PSD considerou "muito estranho que um chefe de gabinete não transmita uma informação desta importância" ao ministro da Defesa e confrontou o primeiro-ministro no Parlamento.

"Um dia haveremos de saber o que é que cada um sabia sobre esta história", atirou António Costa, insinuando que Fernando Negrão sabia de factos da investigação.

PORMENORES 
Coronel no local
O memorando admitirá ainda a presença do então diretor-geral da PJM, coronel Luís Vieira, na Chamusca. Era o responsável máximo da PJM e também esteve na reunião com Brazão e Martins Pereira.

Ministro nega
Azeredo Lopes nega ter tido conhecimento do que se passou na reunião e da existência do memorando. Fontes parlamentares e militares acham "estranho" que o chefe de gabinete não o tivesse informado.

WhatsApp

Brazão afirma que Martins Pereira telefonou a Azeredo, à sua frente, através da aplicação WhatsApp do telemóvel. Além de Vieira, Brazão e Paulino (civil), foram detidos outros seis membros da PJM e GNR.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)