Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Quinze freguesias do Alentejo ficaram sem luz após sismo

Terremoto provocou também a queda de um beiral de telhado e de algum reboco numa casa em Alcáçovas.
Lusa 15 de Janeiro de 2018 às 18:49
Registo de sismo
Sismo sentido esta segunda-feira em Lisboa e zona Centro
Casa danificado em Alcáçovas, Viana do Alentejo, após sismo
Registo de sismo
Sismo sentido esta segunda-feira em Lisboa e zona Centro
Casa danificado em Alcáçovas, Viana do Alentejo, após sismo
Registo de sismo
Sismo sentido esta segunda-feira em Lisboa e zona Centro
Casa danificado em Alcáçovas, Viana do Alentejo, após sismo

Um total de 15 freguesias de quatro concelhos do Alentejo ficou esta segunda-feira sem eletricidade, durante "12 minutos", na sequência do sismo de magnitude 4,9 na escala de Richter verificado na região, revelou a EDP Distribuição.

"A subestação elétrica de Arraiolos desligou-se, devido ao sismo, e esteve 12 minutos fora de serviço, mas voltou logo a ligar", explicou à agência Lusa Maria Antónia Fonseca, da EDP Distribuição.

A situação, que "foi rapidamente resolvida", afetou três freguesias do concelho de Arraiolos, zona onde aconteceu o epicentro do tremor de terra, assim como os municípios de Montemor-o-Novo (nove freguesias), Évora (duas) e Alcácer do Sal (uma).

"O serviço foi rapidamente retomado e ficou logo tudo resolvido", sublinhou a mesma fonte da empresa.

O sismo registado esta segunda-feira provocou também a queda de um beiral de telhado e de algum reboco numa casa em Alcáçovas, no concelho de Viana do Alentejo (Évora), mas sem causar vítimas.

O vice-presidente da Câmara de Viana do Alentejo, João Pereira, disse à Lusa que, ao início da tarde, lhe foi reportada a queda "do beiral do telhado e de algum reboco" numa casa na vila de Alcáçovas.

"Não houve qualquer derrocada. O que caiu para a via pública foi a parte do telhado que estava saliente e algum reboco", numa casa que, creio, que não é habitada", afirmou.

Segundo o vereador, "tudo indica" que a queda "poderá ter sido causada pelo sismo".

"Pressupomos que sim, mas também já temos tido este tipo de situações sem que se tenha verificado qualquer sismo", admitiu.

Os detritos não levaram ao corte de trânsito, porque "caíram junto da parede", e foram, entretanto, retirados por funcionários da câmara e elementos da Proteção Civil, acrescentou João Pereira.

O sismo de magnitude 4,9 foi registado às 11:51 e teve epicentro a cerca de seis quilómetros Norte-Nordeste de Arraiolos, revelou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O tremor de terra foi sentido em Portugal continental, nomeadamente em vários concelhos do Alentejo.

Ver comentários