Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Turistas importam mais casos de Covid-19 no Algarve

Centro europeu de doenças prevê vacina só para início de 2021.
Correio da Manhã e Lusa 29 de Agosto de 2020 às 09:43
Praia do Camilo, Lagos
Praia do Camilo, Lagos FOTO: Getty Images

Um total de 40 casos ativos de Covid-19 no Algarve são importados, sejam de portugueses que estiveram recentemente em Espanha ou de turistas estrangeiros, de várias nacionalidades, que vieram infetados mas acabaram por adoecer na região algarvia.

Este número representa 17 por cento dos casos ativos totais (264), numa altura em que estão 1,5 milhões de pessoas no Algarve, que tem uma população residente de cerca de 400 mil habitantes.

"É o que se passou no início da pandemia, em março, em que uma parte substancial dos casos eram importados, mas não tem muito significado", assumiu esta sexta-feira Ana Cristina Guerreiro, delegada de Saúde Regional, uma opinião suportada por António Pina, presidente da Comissão Distrital da Proteção Civil: "Os números são muito bons quando percebemos que triplicamos a população, mas ninguém está livre de termos um fenómeno qualquer. Não podemos é criar situações de alarmismo".

Na conferência de imprensa sobre a situação epidemiológica no Algarve, que teve lugar esta sexta-feira de manhã em Loulé, os responsáveis consideram que, ainda assim, a situação encontra-se "estabilizada" e realçam o "esforço e empenho" dos empresários e concessionários de praia que ajudaram a manter "uma região segura e aberta ao mundo" quando as condições de acesso à praia "suscitaram dúvidas há dois meses".

Pormenores
Eventos dão alento
Os eventos desportivos como o Masters de Golfe (setembro), a Fórmula 1 (outubro) e o MotoGP (novembro) vão dar algum alento ao turismo da região nos próximos meses, que são considerados mais fracos em termos de afluência turística quando comparado com o verão.

Mais enfermeiros
A Administração Regional de Saúde do Algarve garante que vai reforçar a capacidade de resposta nos cuidados de saúde com a contratação de mais 17 enfermeiros.

Foco na construção
A atenção das autoridades de saúde também está nas obras da região, onde já houve vários surtos de Covid-19. Já foram feitas 74 ações que visaram mais de mil trabalhadores.

Centro europeu de doenças prevê que vacina contra a Covid-19 só chegue no início de 2021

O Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças estima que, na melhor das hipóteses, a vacina para a covid-19 chegará no início de 2021, mas frisa que a Europa "está muito mais bem preparada" do que há seis meses.

"É muito difícil prever, mas provavelmente só teremos [uma vacina] no início do próximo ano, na melhor das hipóteses e assumindo que os ensaios clínicos têm resultados positivos em termos de eficácia e de segurança", declara em entrevista à agência Lusa o chefe-adjunto do programa de doenças do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), Piotr Kramarz.

Notando que existe, nomeadamente na Europa, "um grande número de vacinas em preparação em tempo recorde, [...] muitas delas já em fase de testes" avançados, o cientista diz à Lusa que o ECDC está a "preparar já planos de monitorização".

"Para quando a vacina estiver disponível podermos monitorizar a sua eficiência e para garantir que é segura", refere Piotr Kramarz.

Na passada quinta-feira, a Comissão Europeia oficializou, em nome da União Europeia, a compra de 300 milhões de doses de uma potencial vacina da farmacêutica AstraZeneca, que está em fase avançada de ensaios clínicos de larga escala e com resultados promissores.

A formalização vem no seguimento de um contrato prévio de aquisição assinado pela com a AstraZeneca em meados de agosto, dada a potencial vacina que a empresa britânica está a desenvolver em conjunto com a Universidade de Oxford.

A Comissão Europeia está, também, a discutir acordos semelhantes com outros fabricantes de vacinas, designadamente depois de já ter concluído conversações exploratórias com a Sanofi-GSK (31 de julho), a Johnson & Johnson (13 de agosto), a CureVac (18 de agosto).

Também na quinta-feira, a Comissão Europeia assegurou que, "juntamente com os Estados-membros e a Agência Europeia de Medicamentos, irá utilizar as flexibilidades existentes no quadro regulamentar da UE para acelerar a autorização e a disponibilidade de vacinas bem-sucedidas contra a covid-19, mantendo simultaneamente os padrões de qualidade, segurança e eficácia da vacina".

Ainda assim, de acordo com Piotr Kramarz, este é um processo que deverá demorar mais alguns meses.

Mas há "boas notícias" relativamente à covid-19 na Europa, de acordo com o cientista.

"Em termos de tratamentos, existe já um autorizado, o Remdesivir, que é um medicamento antiviral usado para pacientes graves", destaca, numa alusão ao aval dado pela Agência Europeia de Medicamentos para utilizar este fármaco para combater a covid-19.

No final de julho, o executivo comunitário também assinou um contrato de 63 milhões de euros com a farmacêutica Gilead para assegurar tratamentos com Remdesivir na União Europeia.

Outra das boas notícias é que "há mecanismos para testar e identificar os casos de forma eficaz" na Europa, destaca Piotr Kramarz na entrevista à Lusa.

"A capacidade de realizar testes aumentou significativamente e aprendemos bastante sobre o rastreamento de contactos e sobre como contactar as pessoas que estiveram em contacto com infetados, nomeadamente através de aplicações móveis", reforça o responsável.

E assegura: "Estamos muito mais bem preparados [para enfrentar a pandemia] do que estávamos na primavera".

Desde logo porque "os países aprenderam muito com esta primeira fase e, por isso, já há bastante preparação nos serviços de saúde", justifica.

Em todo o caso, o especialista antecipa um "período difícil" de ressurgimento das infeções nos próximos meses, que poderá coincidir com a época da gripe normal, razão pela qual adianta que o ECDC está já "a pedir aos Estados-membros que se preparem para isso".

Sediado na Suécia, o ECDC tem como missão ajudar os países europeus a dar resposta a surtos de doenças.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Algarve Covid-19 Espanha saúde questões sociais política autoridades locais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)