Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
6

Morreu Freitas do Amaral, o fundador do CDS que foi quase tudo

Antigo ministro dos Negócios Estrangeiros estava internado e lutava contra uma doença oncológica.
Correio da Manhã 3 de Outubro de 2019 às 13:22
Diogo Freitas do Amaral
A luta de Freitas do Amaral contra Mário Soares: A história das presidências de 1986
Freitas do Amaral
Diogo Freitas do Amaral
A luta de Freitas do Amaral contra Mário Soares: A história das presidências de 1986
Freitas do Amaral
Diogo Freitas do Amaral
A luta de Freitas do Amaral contra Mário Soares: A história das presidências de 1986
Freitas do Amaral
Morreu Diogo Pinto Freitas do Amaral aos 78 anos. Nasceu na Póvoa de Varzim a 21 de julho de 1941 e foi um dos fundadores do Partido do Centro Democrático Social e o seu primeiro líder. Foi candidato à Presidência da República nas eleições de 1986.
 
Chegou a Ministro dos Negócios Estrangeiros no Governo formado pelo Partido Socialista de José Sócrates em 2005.

O também professor universitário estava internado no Hospital CUF, em Cascais, depois de ter tido problemas decorrentes de uma doença oncológica.

O Governo anunciou esta tarde que decretará Luto Nacional no dia do funeral do fundador do CDS-PP.

Freitas do Amaral, estava internado desde 16 de setembro, fez parte de governos da Aliança Democrática (AD), entre 1979 e 1983, e mais da tarde do PS, entre 2005 e 2006, após ter saído do CDS em 1992.

Marcelo Rebelo de Sousa homenageia um dos "pais do sisterma político-democrático"
O Presidente da República manifestou profundo pesar pela morte de Freitas do Amaral, que recordou como um dos "pais fundadores" do sistema político-democrático português e um grande amigo pessoal de meio século.

"O Presidente da República, que, além do mais, perdeu um grande amigo pessoal de meio século, apresenta à sua Família a expressão de grande saudade, mas, sobretudo, da gratidão nacional para o que foi o papel histórico de ter sido aquele dos Pais Fundadores a integrar a direita conservadora portuguesa na Democracia constitucionalizada em 1976", lê-se numa nota publicada no 'site' da Presidência.

Na nota publicada no `site´, o Presidente da República sustentou que a "Diogo Freitas do Amaral deve a "democracia portuguesa o ter conquistado para a direita um espaço de existência próprio no regime político nascente, apesar das suas tantas vezes afirmadas convicções centristas".

Manifestando o mais profundo pesar pela morte do ex-ministro, Marcelo Rebelo de Sousa recordou-o como um dos "quatro pais fundadores do sistema político-partidário democrático em Portugal, como presidente do Centro Democrático e Social".

Marcelo Rebelo de Sousa destacou as "intervenções decisivas" de Freitas do Amaral na primeira revisão constitucional e "na feitura de diplomas estruturantes, como a Lei da Defesa Nacional e das Forças Armadas, a Lei Orgânica do Tribunal Constitucional, o Código do Procedimento Administrativo e parte apreciável da legislação do Contencioso Administrativo e da Organização Administrativa".

Costa lamenta perda de um dos "um dos fundadores do nosso regime democrático"
O primeiro-ministro lamentou a morte do fundador e primeiro líder do CDS, Freitas do Amaral, e adiantou que o Governo vai decretar luto nacional no dia do seu funeral.

"Acabou de falecer um dos fundadores do nosso regime democrático. À memória do professor Freitas do Amaral, ilustre académico e distinto Estadista, curvamo-nos em sua homenagem. Apresentamos à sua família, amigos e admiradores as nossas sentidas condolências", refere uma nota do gabinete de António Costa.
Diogo Freitas do Amaral Cascais Hospital CUF questões sociais morte obituário
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)