Djaló: "Palavra nenhuma consegue descrever a dor que sinto"

Jogador de futebol deixou uma mensagem emotiva nas redes sociais após tragédia.
15.09.18
Yannick Djaló manifestou-se pela primeira vez publicamente acerca da morte da irmã, Açucena Patrícia, que foi vítima de um atropelamento fatal nas festas da Moita na noite da passada sexta-feira.

"Nunca me passou pela cabeça que isso fosse acontecer... era suposto essa mensagem vir de ti, e estar no teu Instagram e não no meu. Era suposto tu sentires essa dor e não eu, era suposto que essas lágrimas fossem tuas e não minhas... nunca quis que sofresses, mas preferia que sentisses o que estou a sentir e trocássemos de lugar, minha Açu...palavra nenhuma consegue descrever a dor que sinto e quão pesado está o meu coração ... minha Açu... minha menina! Ainda não consigo acreditar... vou entrar por aquela porta e vais-me saltar para os braços... ainda não consigo acreditar...Tenho de te ver... tenho de olhar para ti, para o teu rosto... tenho de sentir de verdade que realmente não estás mais aqui!", pode ler-se na publicação emotiva que o jogador deixou no Instagram.

Nunca passou-me pela cabeça que isso fosse acontecer... era suposto essa mensagem vir de ti, e estar no teu Instagram e não no meu, era suposto tu sentires essa dor e não eu, era suposto que essas lágrimas fossem tuas e não minhas... nunca quis que sofresses, mas preferia que sentisses o que estou a sentir e trocássemos de lugar, minha Açu...palavra nenhuma consegue descrever a dor que sinto e quão pesado está o meu coração ... minha Açu... minha menina! Ainda não consigo acreditar... vou entrar por aquela porta e me vais saltar para os braços... ainda não consigo acreditar...Tenho de te ver... tenho de olhar p ti, p teu rosto... tenho de sentir de verdade que realmente não estás mais aqui!

Uma publicação partilhada por Yannick Dos Santos Djaló (@yannickdjalo_official) a



O atropelamento que matou a irmã de Djaló e feriu outras cinco pessoas, nas festas da Moita, foi intencional. A GNR refere em comunicado que o condutor "avançou a alta velocidade por um arruamento de acesso às referidas festas, tendo embatido violentamente nas guardas de madeira de proteção, utilizadas para as largadas de touros, as quais não impediram que o veículo colidisse com as vítimas".

O suspeito, de 21 anos, ficou em prisão preventiva e está indiciado por doze crimes: um de condução perigosa; dez de homicídio qualificado na forma tentada e um de homicídio qualificado. A GNR referiu, à CMTV, que o crime terá ocorrido devido a desacatos entre grupos rivais.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!