Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Hospitais portugueses ficaram longe da rutura durante a crise da Covid-19

Cuidados Intensivos ocupados a 31,6%.
Bernardo Esteves 27 de Maio de 2020 às 08:15
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus

Os hospitais portugueses ficaram até agora longe da rutura durante a crise da Covid-19. A taxa de ocupação máxima das enfermarias foi de 48,8% e a das Unidades de Cuidados Intensivos de 31,6% para doentes com Covid-19. Estes dados foram revelados num inquérito da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI).

Foram inquiridos 85 diretores de serviço de Medicina Interna dos hospitais Covid-19, para avaliar o envolvimento dos internistas com doentes infetados pelo novo coronavírus e a atividade exercida com doentes não infetados. No total, foram obtidas 63 respostas, o que corresponde a 74% do total, segundo a SPMI.

Estes hospitais tinham 1963 camas Covid disponíveis em enfermaria, tendo a taxa de ocupação máxima atingido os 48,8%. Já nas Unidades de Cuidados Intensivos havia 620 camas para doentes Covid e a taxa de ocupação foi de 31,6%. Em 65% das enfermarias dedicadas a estes doentes trabalharam em conjunto especialistas de Medicina Interna e muitos outros especialistas, enquanto em 35 por cento a gestão foi integralmente assegurada por internistas, adianta a SPMI.

Foram ainda contabilizados 327 especialistas de Medicina Interna e 248 internos desta especialidade em "dedicação exclusiva ao tratamento dos doentes Covid (nas enfermarias e nas Unidades Intensivas)."

Os Serviços de Medicina Interna asseguravam o tratamento em simultâneo a 3157 doentes que não tinham a doença Covid-19.

Mais informação sobre coronavírus AQUI.

MAPA da situação em Portugal e no Mundo.

SAIBA como colocar e retirar máscara e luvas.

APRENDA a fazer a sua máscara em casa.

CUIDADOS a ter quando recebe uma encomenda em casa.

DÚVIDAS sobre coronavírus respondidas por um médico

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Ver comentários