Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Sócrates acusa tribunal de ter "dois pesos e duas medidas" na escolha do juiz na Operação Marquês

O ex-primeiro-ministro defende que a justiça não seguiu os procedimentos no processo em que é arguido.
14 de Setembro de 2018 às 09:16
José Sócrates
José Sócrates
Sócrates
José Sócrates
Juiz Carlos Alexandre
Juiz Carlos Alexandre
José Sócrates
José Sócrates
Sócrates
José Sócrates
Juiz Carlos Alexandre
Juiz Carlos Alexandre
José Sócrates
José Sócrates
Sócrates
José Sócrates
Juiz Carlos Alexandre
Juiz Carlos Alexandre
O antigo primeiro-ministro socialista José Sócrates escreveu um artigo de opinião em que afirma que a justiça tem "dois pesos e duas medidas" e que o caso da Operação Marquês, em que é acusado por crimes de corrupção entre outros, foi alvo de um processo anormal na atribuição do juiz responsável pelo mesmo. 

Segundo José Sócrates, a justiça atribuiu um juiz ao caso por "atribuição manual" e não com o sorteio utilizado para outros casos em que o Tribunal tem mais do que um juiz.

Na verdade, o processo "Marquês" nunca foi distribuído nem sorteado. A escolha do juiz, que deveria ter acontecido em 9 de setembro de 2104, não resultou de uma operação de distribuição que deveria ter sido por sorteio ou, como diz a lei, "realizada por meios eletrónico , os quais devem garantir aleatoriedade no resultado", afirma José Sócrates no artigo publicado na TSF.

Seguindo este raciocínio, o ex-primeiro-ministro escreve: "Desde 9 de Setembro de 2014 que o processo "Marquês" não teve um juiz legal ou juiz natural". Sócrates diz mesmo que o que se verificou na escolha manual do juiz encarregue pelo caso foi  um "ato intencional de escolha de um juiz, ludibriando a lei".

Sócrates acusa mesmo o juiz Carlos Alexandre de ser o principal suspeito de ter "avocado" ilegalmente o processo. "Ao longo destes cinco anos, este processo esteve sempre onde o Ministério Público quis que estivesse - nessa gaiola de ferro constituída pelo procurador Rosário Teixeira, de um lado, e o juiz Carlos Alexandre, do outro", escreve o ex-primeiro-ministro.

O ex-primeiro-ministro considera que aquilo que está "em causa, nesta questão, é o princípio constitucional do juiz natural, uma das principais garantias do processo criminal democrático" e que a lei 

Segundo José Sócrates, "este processo tem um longo historial de abusos" e dá exemplos: "A detenção ilegal, a prisão para investigar, os prazos legais escandalosamente ultrapassados, o segredo de justiça violado ao serviço de uma violenta campanha de difamação promovida pelo Estado e ainda a entrevista televisiva do juiz de instrução, onde ostensivamente evidenciou uma completa parcialidade, fazendo desprezíveis e desonestas insinuações".

O antigo primeiro-ministro afirma que a existência de um sorteio ou de "atribuição manual" é um dado fundamental, que faz a "diferença entre legalidade ou arbítrio; diferença entre transparência ou manipulação; diferença entre boa-fé e manipulação para que uma das partes escolha o juiz.

O inquérito da Operação Marquês culminou na acusação a 28 arguidos - 19 pessoas e nove empresas - e está relacionado com a prática de quase duas centenas de crimes de natureza económico-financeira.

Sócrates é acusado de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.

A acusação da Operação Marquês sustenta que Sócrates recebeu cerca de 34 milhões de euros, entre 2006 e 2015, a troco de favorecimentos a interesses do ex-banqueiro Ricardo Salgado, do Grupo Espírito Santos (GES), e na PT, bem como por garantir a concessão de financiamento da Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento Vale do Lobo, no Algarve, e por favorecer negócios do Grupo Lena.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)